Categorias

Resenhas

Livro Antes do baile verde - Resenha

31/07/2018 - Taíla Quadros
#Companhia das Letras #conto #livro #Lygia Fagundes Telles #opinião #resenha

Resenha sobre o livro de contos Antes do baile verde da autora Lygia Fagundes Telles.

 

Como já comentei aqui no blog, fui a um clube de leitura aqui em Caxias do Sul onde foi debatida a obra Antes do baile verde da autora Lygia Fagundes Telles, um livro de contos  que está entre os mais marcantes da autora, com textos escritos entre 1949 e 1969 e publicado no ano de 1970.

 

SINOPSE:

Uma jovem se prepara para ir a um baile carnavalesco onde as fantasias devem ser todas verdes. Enquanto ela se maquia para o baile, colocando lantejoulas no saiote verde que cobre o biquíni, seu pai agoniza no quarto ao lado. Esse ambiente teatral e angustiante do conto 'Antes do baile verde' dá a tônica do livro homônimo.

 

'Antes do Baile Verde' (publicado em 1970 e traduzido para o tcheco, o russo e o francês) é um dos livros mais marcantes da carreira de Lygia Fagundes Telles. Os contos, escritos entre 1949 e 1969, deixam claro para o leitor por que a autora é uma das mais representativas e premiadas escritoras brasileiras em atividade. Estão presentes no livro algumas histórias emblemáticas como 'O jardim selvagem' e 'Meia-noite em ponto em Xangai'.

 

Narrativas turbulentas, de diálogos cuidadosamente esculpidos e marcadas por finais em aberto, como no conto 'Natal na barca', em que uma mulher atravessa o rio com o filho no colo, sem que o leitor saiba se a criança está mesmo viva. Os finais das histórias de Lygia provocam o imaginário do leitor. Há sempre uma cartada, uma surpresa, um susto.

 

A autora demonstra uma coragem singular para trabalhar pontos mais delicados da condição humana através de personagens cínicos, amargos e, principalmente, cruéis como no clássico conto 'Apenas um saxofone', onde uma mulher pede ao amante que se mate como prova de amor.

 

Minhas impressões:

Cá entre nós, não sou uma grande entusiasta dos contos em  geral, principalmente pelo fato de parecer que as histórias ou acontecem rápido demais ou ficam sem um fechamento satisfatório, mas, como sempre comento por aqui, acredito ser muito importante sempre nos aventurarmos em novas histórias, novos estilos e novos autores.

 

Por isso, encarei o prazeroso desafio e vou dizer para você que gostei. Claro que por ser uma obra de uma autora consagrada, já estava garantida uma leitura de qualidade. E sim, alguns contos tem o final aberto para a interpretação do leitor o que me levou a pensar que como posso gostar de filmes com final aberto e de livros, não? Olha aí as regras sem sentido que a gente cria.

 

Em Antes do baile verde, cada conto é independente dos outros o que proporciona uma leitura rápida e bem dinâmica. Os temas são bem variados entre si, mas são bem focados das relações humanas, o que me atrai bastante. Casamentos feitos, desfeitos, traições, ciúmes e muitos sentimentos que todos temos e sempre fazemos questão de deixar bem escondidos em histórias curtas, porém profundas e algumas vezes até chocantes.

 

Uma surpresa boa e uma indicação que valeu muito a pena. Antes do baile verde foi a primeira obra que li da autora Lygia Fagundes Telles e com certeza não será a última.

 

Sobre a autora:

Lygia Fagundes Telles nasceu em São Paulo em 19 de abril de 1923 e é considerada pela crítica uma das mais importantes escritoras brasileiras. Foi eleita para a Academia Brasileira de Letras em 1985 e em 2005 recebeu o Prêmio Camões, o mais importante da literatura de língua portuguesa.

 

Começou a escrever muito cedo, o que a levou depois a considerar seus primeiros livros “muito imaturos e precipitados”, chegando a rejeitá-los. Segundo o crítico literário Antonio Candido, o romance “Ciranda de Pedra” (1954) seria o marco de sua maturidade intelectual. Vivendo a realidade de uma escritora do Terceiro Mundo, considera sua obra de natureza engajada, ou seja, comprometida com a condição humana dentro da circunstância de seu país, participante e testemunha que é deste tempo e desta sociedade. Estudou direito e educação física antes de se dedicar exclusivamente à literatura.

 

Em 1970, recebeu o Grande Prêmio Internacional Feminino para Estrangeiros, na França, pelo seu livro de contos “Antes do Baile Verde”. Em 1973, publica o romance “As Meninas”. Com o livro ganha o Prêmio Coelho Neto, da Academia Brasileira de Letras; o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro; e o prêmio de Ficção da Associação Paulista de Críticos de Arte. Em 1977, foi galardoada pelo Pen Club do Brasil na categoria de contos, pela sua coletânea “Seminário dos Ratos”.

 

Em 1982 foi eleita para a cadeira 28 da Academia Paulista de Letras e, em 1985, foi eleita em 24 de outubro para ocupar a cadeira 16 da Academia Brasileira de Letras, na vaga deixada por Pedro Calmon, tomando posse em 12 de maio de 1987. A 26 de Novembro de 1987 foi feita Comendadora da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal.

 

Em 2001 voltou a receber o Prêmio Jabuti, na categoria de ficção, pelo seu livro “Invenção e Memória”. Em março de 2001 recebeu o título de Doutora Honoris Causa pela Universidade de Brasília.

 

Em 13 de maio de 2005 recebeu o Prêmio Camões pelo conjunto da obra, distinguida pelo júri composto por Antônio Carlos Sussekind (Brasil), Ivan Junqueira (Brasil), Agustina Bessa-Luís (Portugal), Vasco Graça Moura (Portugal), Germano de Almeida (Cabo Verde) e José Eduardo Agualusa (Angola).

 

Em fevereiro de 2016 foi indicada ao Prêmio Nobel de Literatura pela União Brasileira de Escritores.

 

Fonte: Saraiva 

 

Você já leu alguma obra da autora? O que achou? Deixe sua opinião aqui nos comentários.

 

Antes do baile verde - Lygia Fagundes Telles - 208 páginas - Editora Companhia das Letras

Quer ficar por dentro de todas as resenhas do Prateleira? Clique aqui e se cadastre. 

comentários
talvez você também goste
Publicidade
Facebook
Mais Lidos