Categorias

Resenhas

O Ciclista Mascarado - Resenha

31/01/2017 - Taíla Quadros
#Editora Belas Letras #livro #opinião #parceria #resenha #Rush

O Ciclista Mascarado foi um presente da parceria do Prateleira com a Editora Belas Letras e vou te contar, hein. Que presente! O livro foi escrito pelo baterista e compositor da banda Rush, Neil Peart. Neil é canadense e faz viagens de bicicleta em lugares totalmente inusitados. Um jeito bem diferente de passar as férias e que rende excelentes histórias. Dá um confere na sinopse.

 

 

SINOPSE: Pedale com o roqueiro Neil Peart em uma extraordinária jornada de bicicleta por estradas de chão batido, encontros com milícias armadas e crises estomacais na África Ocidental dos anos 1990. Graças a esse meio de transporte – rápido para ir de uma cidade a outra em apenas uma manhã e lento o bastante para perceber a alegria das pessoas humildes pelo caminho – a longa jornada proporciona surpresas, choques culturais, momentos de fome, sede e conflitos internos. Este é o livro de estreia de Neil Peart, compositor do Rush, a lendária banda de rock canadense, publicado originalmente em 1996 e só agora traduzido no Brasil. O clássico indispensável para quem está disposto a viver, como o ciclista mascarado, uma emocionante e desafiadora aventura sobre duas rodas.

 

E aí, pronto para pedalar?

 

Nessa obra, o autor fala sobre as paisagens, as pessoas e as inúmeras situações que ele e seus companheiros de viagem passaram. Ele foi com um grupo de mais três turistas americanos, juntamente com o guia David. A convivência entre eles também foi um dos desafios da aventura. Se viajar com amigos e família é difícil, imagina com gente que você nunca viu na vida, pessoas com diferentes histórias, diferentes hábitos e diferentes preparos físicos, o que faz muita diferença em uma viagem dessas.

 

Com direito a marcador e tudo. :)

 

São muitos, mas muitos, perrengues que o Neil passa e eu fiquei pensando em como deve-se ter também preparo emocional para enfrentar todas as dificuldades que eles passaram. A viagem me parecia ser aquela expressão “padecendo no paraíso” porque, ao mesmo tempo em que eles conheciam novas culturas, lugares maravilhosos e coisas muito curiosas, havia muita miséria, restrições e dificuldades como calor excessivo, falta de água tratada e estranheza das pessoas que os recebiam.

 

Eles tomaram tanta Fanta quente que eu cheguei a sentir sede de água fresca enquanto eu lia. Consegui visualizar essas experiências e, para absorver melhor tudo o que eu estava lendo, esse foi um livro que eu optei por ler bem devagarinho, li mais ou menos um capítulo por dia. Parecia que estava ouvindo uma daquelas histórias que os pais contam para a agente antes de dormir.

 

Se para mim esse livro foi um aprendizado, imagina para o autor que vivenciou tanta coisa. Tive consciência das dificuldades que podem existir no mundo e que a gente não tem nem noção de como é. A falta de informação também é chocante e como muitas pessoas vivem isoladas sem saber o que se passa no mundo lá fora. Dá uma vontade de ajudar todo mundo, de resolver tudo para as pessoas e de saber o que fazer para mudar tantas realidades difíceis, imagino como o autor deve ter se sentido.

 

Recomento muito esse livro para quem ama viajar, conhecer novas culturas e se importa muito com o ser humano.

Felicidade :)

 

Não conhecia muito sobre o autor, mais depois de ler esse livro já estou com outro do Neil para ler e me deliciar com as palavras de alguém tão consciente e experiente. Achei o que o livro não iria trazer muitas emoções, mas vai até o final que vai te dar um frio na barriga e a gente passar a valorizar ainda mais o banho de cada dia e todas as pequenas coisas.

 

Recomendadíssimo.

 

O Ciclista Mascarado - Neil Peart - 336 páginas - Editora Belas Letras

Quer ficar por dentro de todas as resenhas do Prateleira? Clique aqui e se cadastre. 

comentários
talvez você também goste
Publicidade
Facebook
Mais Lidos