Categorias

Resenhas

Ozob - Vol. I Protocolo Molotov - Resenha

14/11/2017 - Taíla Quadros
#Azaghal #Deive Pazos #Jovem Nerd #Leonel Caldela #livro #nerd #nerdbooks #nerdstore #opinião #resenha

Finalmente amiguinhos!!!!

 

Volta e meia eu lhes trago um livrito maroto na Nerdbooks, não é verdade? Então, toma o livro do Ozob!!!!!

 

Quando o futuro não é como a gente espera...

 

SINOPSE: O futuro chegou. E é pior do que os nossos pesadelos.

O século 22 é uma época escura, feita de cibernética, inteligências artificiais, megacorporações que controlam os governos, redes sociais onipresentes, gangues e violência. No centro de tudo, uma metrópole se ergue em plataformas sucessivas, com prédios que se elevam acima das nuvens.

Construída sobre o que já foi Nova York, Delta City abriga as maiores corporações e milhões de habitantes. Mas, nas ruas sob as plataformas, a Cidade Baixa é o lar de criminosos, miseráveis e escória. O lar de Ozob.

Ozob, um construto genético encomendado por uma corporação, feito à imagem da mente insana de seu criador. Perseguido por seus irmãos sanguinários, só tem mais dois anos de vida. Para ele, nenhum minuto pode ser desperdiçado.

 

Para quem não conhece, o Ozob é personagem do Azaghal no programas de RPG Ciberpunk do Nerdcast. Depois de três episódios do programa de RPG e do imenso sucesso entre o público do personagem Ozob que, para quem não notou é Bozo ao contrário, muitos produtos com o personagem foram lançados, canecas, busto, acessórios e um livro. Óbvio que eu fui reto no livro. A edição é em capa dura muito bem trabalhada, aquela clássica folha amarela, com um papel mais grossinho, tudo nos trinques.

 

Vamos à história. O livro conta a história do Ozob antes dos acontecimentos do Nerdcast de RPG. Nós conhecemos o Ozob, seu “nascimento”, sua família e muitas histórias que foram construindo o personagem e o tornaram o que nos foi apresentado nos programas. A origem dele como replicante é muito bem elaborada, seus irmãos e seu “pai” têm histórias muito sinistras também e cada uma delas vai sendo apresentada no decorrer do livro em flashbacks entre a história atual, onde Ozob se envolve com um grupo de músicos rebeldes que lutam contra as corporações. As relações que o palhaço vai estabelecendo com eles é bem interessante. Todo o livro tem um clima de filme e muitas referências aos filmes, principalmente dos anos 80, como Blade Runner, Star Wars, entre outros, e muitos ícones da cultura nerd. É muito legal ir descobrindo isso ao longo das páginas. Toda a tecnologia apresentada no livro não me incomodou, já que a história se passa no futuro, mas em alguns momentos você tem que reforçar a suspensão de descrença, principalmente quando eles realizam planos com os russos, mas lá também tem um easter egg bem legal ali para quem ouviu os programas. ;)

 

A aventura é bem interessante, a vida nos outros planetas, agoniante, e tem horas que a gente só quer abraçar o Ozob como se ele fosse um neném. Sério, algumas cenas dele e outras com a sua irmã Guzzo me deixaram mal. Alguma partes são mais pesadinhas, por isso o livro é indicado para maiores de 18 anos.

 

Como um saldo final, gostei muito da história, principalmente pelas diversas sensações que tive, de achar graça, sentir tristeza, agonia nas situações mais tensas e muita raiva de certas pessoas. Acredito que essa imersão só acontece quando a história é boa mesmo. Apesar de o livro ser bem grandinho consegui ler em um ritmo bem rápido pelo interesse que a leitura me despertou. Agora fica a pergunta: quando sai o volume II?

 

P.S.1: Já aviso que você vai descobrir como o Ozob ficou com aquele nariz de granada.


P.S.2: Se você quiser ver mais conteúdos sobre o livro, acesse o hotsite. <<

 

Ozob - Volume I Protocolo Molotov - Leonel Caldela e Deive Pazos - 419 páginas - Nerdbooks

Quer ficar por dentro de todas as resenhas do Prateleira? Clica aqui e te cadastra. 

comentários
talvez você também goste
Publicidade
Facebook
Mais Lidos