Categorias

Resenhas

Resenha sobre o livro Segundo - Eu me chamo Antônio

23/06/2020 - Taíla Quadros
#Editora Intrinseca #Eu me chamo Antonio #livro #poesia #resenha #segundo

Sobre a obra

 

Sinopse

 

Antônio é personagem de um romance que ainda vai ser escrito, o que não o impediu de chegar às livrarias e se tornar um best-seller com mais de 150 mil exemplares vendidos, graças à poesia e à irreverência das frases e desenhos que rabisca em guardanapos, entre um chope e outro. Em Segundo - Eu me chamo Antônio, ele revela em pequenos textos suas paixões, suas inspirações e seu rico mundo interior, onde girafas falam de amor, bailarinas beijam palhaços e poetas escrevem rimas bonitas em pequenos pedaços de papel descartável.

 

Minhas impressões

 

“Coração maduro não brinca com sentimentos.”

 

Se um é pouco, dois é bom, não é verdade? Pois bem, já que comprei um combo de Antônio para ler, um combo de resenhas de Antônio vocês vão receber.

 

A sequência de Antônio foi concebida graças ao sucesso da primeira obra, que vendeu mais de 150 mil exemplares. Se a ideia da primeira obra era compartilhar frases que compunham uma história de amor escritas em guardanapos de papel em um bar por aí, a segunda, ou melhor, o Segundo traz também reflexões escritas em seus cadernos de anotações com um pouquinho de prosa, se intercalando com as frases para encantar ainda mais a nossa leitura e encher nossos coraçõezinhos de amor.

 

As ilustras seguem lindas, os textos e frases mais ainda e com os textos mais compridinhos, pode dar mais um gostinho para quem ficou com gostinho de quero mais ao ler a outra obra. Assim a gente se demora um pouquinho mais e o fim do livro não chega tão rápido assim.

 

“As nossas falhas também poderiam cair no outono.”

 

Para os românticos e sonhadores, essa é uma obra essencial. E mais ainda para quem leu o primeiro, que deve ter amado e ficou ansioso para ler mais e mais.

 

Confesso que algumas das frases me deixam um pouco melancólica. Nem tudo o que se fala sobre amor é sobre amores que deram certo, não é verdade? E a gente sabe muito bem que essa busca não é feita em um caminho fácil e cheio de pétalas de rosa ao longo da estrada. Muito pelo contrário, as pedras estão aí, bem presentes e dificultando a nossa passagem. O caminho pode ser solitário por muitas vezes, mas nos ensina a apreciar a nossa própria companhia e a entender o que realmente nos faz falta e conhecer tudo o que podemos  oferecer.

 

Cada frase em Segundo - Eu me chamo Antônio traz um aprendizado, seja no amor ou na dor de amor. Tudo é romântico e bonito de alguma forma, mas continua nos fazendo pensar e às vezes reaviva alguma dorzinha adormecida bem lá no fundinho do peito. É um efeito colateral que faz parte do processo de cura.

 

No final da obra, assim como no livro I, temos as legendas e todas as frases escritas em letra cursiva, caso tenha rolado alguma dificuldade na leitura. Além do texto, muitas das ilustrações são do próprio autor que pelo visto é cheio dos talentos, meu povo.

 

“Você existe.

Em algum lugar, existe.

Está lá e, ao mesmo tempo, aqui:

Em mim:

Feito um órgão vital

ou um poema inacabado.”

 

Você já leu essa obra? Conta para mim nos comentários o que achou.

 

Sobre o autor

Pedro Gabriel nasceu em N’Djamena, capital do Chade, em 1984. Filho de pai suíço e mãe brasileira, chegou ao Brasil aos 12 anos. É formado em publicidade e propaganda pela ESPM-RJ e criador de Eu me chamo Antônio, página do Facebook e perfil do Instagram.

 

Clique aqui para comprar esse livro.

Segundo - Eu me chamo Antônio - Pedro Gabriel – 192 páginas – Editora Intrínseca

Quer ficar por dentro de todas as resenhas do Prateleira? Clica aqui e se cadastra. 

comentários
talvez você também goste
Publicidade
Facebook
Mais Lidos