Categorias

Crônicas

Seja independente, mas não indiferente - Crônica

09/08/2018 - Taíla Quadros
#crônica #texto #texto da semana #texto de quinta

Não é sobre fazer tudo pelos outros ou achar que todos dependem de você. É sobre ser apoio, ser abrigo, ser porto seguro. É ser a pessoa que ouve e consola, acalenta e dá esperança. Essa história de ser uma pessoa dura, pois a vida também é assim, não cria laços, cria muros, constrói barreiras entre você e os que você diz que ama.

 

Cada vez que você nega ajuda, nega apoio ou simplesmente diz que a dor do outro nem é tão grande assim, mais você deixa de ser importante para ele. Construir relações fortes e duradouras só é doloroso para quem não acredita no seu verdadeiro valor. É muito melhor ter a quem agradecer quando se conquista algo, do que bater no peito cheio de rancor para dizer que conseguiu sozinho. É lindo ter alguém na plateia que fez parte da sua realização para abraçar, para dizer obrigada, para retribuir.

 

Se você acha que ninguém no mundo nunca vai te dar nada, está enganado. Se você está disposto a ajudar os outros, porque não receberia ajuda? Se você faz tudo na solidão o que te resta no final? O orgulho de não precisar de ninguém? Eu prefiro dividir minhas conquistas, ter gente ao redor para celebrar e agradecer.

 

Eu sei o quanto é bom ouvir e receber a gratidão de alguém que eu ajudei e sei como é duro ter que conquistar tudo na solidão. Ver gente que poderia te ajudar, apenas olhando e dizendo: “vai lá”, é bom não precisar de ninguém”, é revoltante. Não sei de que mundo você veio, mas no meu é bom ser independente, mas nunca custou nada ser o ombro amigo de ninguém.

 

Eu quero compartilhar com os meus as alegrias e as tristezas, as vitórias e as derrotas, não quero ser uma mera espectadora na vida dos outros e logo ser esquecida. Quero fazer parte, ajudar os outros a crescerem, construir uma vida rica em companheirismo e cheia de conquistas para compartilhar.

 

Só quem viveu sabe o quanto é melhor agradecer do que ignorar as pessoas e deixá-las para trás. Eu sei que consigo levantar sozinha, mas sei o quanto é bom compartilhar um abraço. Depois que tudo estiver feito, não me venham com um: “eu sabia que conseguiria”, pois eu sei que consigo sim, mas você nunca vai fazer parte disso. Se não ajudou na hora da dificuldade, não venha querer colher os frutos na hora da comemoração.

 

Quer acompanhar todos os textos do Prateleira? Clica aqui e te cadastra. 

comentários
talvez você também goste
Publicidade
Facebook
Mais Lidos