Categorias

Resenhas

Resenha sobre o livro O Demônio e a Srta. Prym

21/07/2020 - Taíla Quadros
#Editora Objetiva #livro #O Demônio e a Srta. Prym #Paulo Coelho #resenha

Sobre a obra:

 

Sinopse:

 

Viscos é uma pequena aldeia de 281 habitantes, um lugar separado do mundo onde todos olham a vida com alegria, tranquilidade e compaixão. Todos os que moram ali sabem que estão insistindo em viver em um mundo à parte; não lhes é fácil aceitar que fazem parte da última geração de agricultores e pastores que há séculos povoavam aquelas montanhas.

 

O Demônio e a Srta. Prym começa com a velha Berta, a mais antiga moradora do lugarejo, repetindo sua rotina de quinze anos - sentada diante de sua porta, observando o dia passar. No entanto, aquele não seria um dia igual a tantos outros. Berta pressente isso quando vê o estrangeiro subir a ladeira íngreme que levava ao único hotel da aldeia. Usava roupas gastas, tinha cabelos compridos e barba por fazer - um homem comum, alguns diriam, mas Berta vê que ele não está sozinho. O demônio o acompanha.

 

Foi longa a viagem do homem até chegar a Viscos. Esquecida dos mapas, um lugar onde o tempo parece não passar, o estrangeiro pressente que Viscos é o lugar ideal para obter a resposta que procura o homem é bom ou mau em sua essência? Ali, em uma cidade de homens e mulheres honestos, cumpridores de seus deveres, pessoas que caminham de cabeça erguida e são respeitadas em toda a região. Seria possível levar essa comunidade exemplar a infringir alguns dos mandamentos essenciais da lei de Deus?

 

O estrangeiro usará todos os seus trunfos para provar que sim, mas para isso, precisa de aliados. Chantal Prym, uma jovem órfã que passa os dias entre sonhos e o trabalho rotineiro no bar do hotel, é a escolhida. A proposta do estrangeiro é capaz de transformar para sempre sua vida, no entanto, para isso, ela terá de romper com alguns valores em que acredita. A srta. Prym está dividida entre o anjo e o demônio que, como todo mundo, traz dentro de si. A quem caberá a palavra final, decidindo o destino da Srta. Prym e de toda a comunidade de Viscos?

 

A velha Berta sabe que algo precisa ser feito não há muito tempo. Se o Mal vence, nem que seja numa pequena e esquecida cidade de três ruas, uma praça e uma igreja, ele pode contagiar o vale, a região, o país, o continente, os mares, o mundo inteiro. Numa trama instigante e envolvente, Paulo Coelho conduz o leitor por uma vertiginosa batalha entre a luz e as trevas travada na alma dos homens.

 

Minhas impressões:

 

O que é fazer o bem? Fazer a coisa certa? E o que é fazer o mal? E quem decide tudo isso? Quem julga? O que acontece com os condenados? São muitas perguntas que podemos fazer antes de tomar uma decisão importante e que vai afetar a vida de outras pessoas. Se fazemos algo, cabe a nós arcar com as consequências e responsabilidades de tal ato, mas e se as nossas escolhas trouxerem desgraça para outras? Devemos pensar apenas no nosso bem-estar?

 

Em O Demônio e a Srta. Prym, Paulo Coelho nos traz uma discussão de valores, de ética daquelas que podem levar a longas e acaloradas discussões. Para a nossa jovem protagonista, Chantal Prym, ser uma das últimas jovens do vilarejo de Viscos é algo realmente desanimador, nada para fazer e nenhum futuro promissor a espera naquele lugar. Todos os seus sonhos giram em torno de sair dali e a única forma que ela vê na sua situação de órfã, trabalhando no bar do hotel da cidade, é que alguém a leve embora dali.

 

Quando o estrangeiro chega à cidade, ela vê mais uma chance e arruma uma maneira de se aproximar, porém o encontro não foi bem como ela esperava e o homem faz uma proposta muito tentadora à Chantal (adorei esse nome). Ela pode mudar de vida e finalmente realizar o seu sonho de sair dali, mas o custo para outras pessoas vai ser muito alto. É complicado e tentador.

 

Esse dilema permeia toda a história da obra onde o estrangeiro tenta provar que não existe bem em mais nenhum lugar do mundo, que todos são egoístas e em algum momento abrem mão das suas convicções. A vida de Chantal, que tem uma semana para decidir o que responder para a tal proposta, se torna uma verdadeira agonia. Sonhos, ressentimentos, pesadelos, recaídas. Muitas coisas se misturam antes que ela possa tomar a decisão e sair desse beco sem saída.

 

Eu disse que era sem saída, né. Então, a nossa Srta. Prym, se vê apertada e não vou dar mais detalhes sobre os sufocos que ela passa e o que ela decide, mas, mais uma vez o tema levantado por Paulo Coelho, é real e muito digno de reflexão. Isso sempre me prende às obras dele, não importa quão ficcional o tema do livro possa parecer, sempre é sobre a gente, sobre a vida em nos faz refletir.

 

As nossas questões éticas e o que consideramos certo e errado cabem muito bem para serem pensados durante e após a leitura dessa obra. Vemos, ainda mais nesse momento de pandemia, como realmente nossos pesos e medidas são bem variados. Somos flexíveis e menos empáticos quando a situação nos favorece e encontramos muitas formas de justificar o errado que fazemos quando é para o nosso “bem”.

 

Vemos como no mundo “lá fora” falta empatia e é muito bom aproveitar esse momento que nos é tão exigido para ficar em casa para olhar para dentro de nós mesmos e fortalecermos a bondade que existe aqui. Muitas vezes ela fica adormecida quando vemos alguma injustiça ou porque podemos achar que não vale a pena se envolver ou que outra pessoa vai fazer o que é certo e eu vou garantir o que é meu.

 

Vejo que está mais do que na hora de entendermos o quanto somos pequenos e quanto, mesmo assim, nossas atitudes podem fazer toda a diferença, para o bem ou para o mal, na vida das outras pessoas. Já parou para pensar que até quando você faz coisas ruins para si mesmo você está machucando e preocupando quem te ama? Mesmo em casa e mesmo distantes, somos parte de um todo e estamos todos ligados de uma forma ou de outra.

 

Fica nessa resenha o convide para refletir sobre o tema e para ler a obra que não é sobre uma lição de moral e tem as suas emoções e reviravoltas também que vão te deixar bem curioso para saber tudo o que vai acontecer.

 

 

Sobre o autor:

 

Nascido em 1947, no Rio de Janeiro, Paulo Coelho atuou como dramaturgo, jornalista e compositor, antes de se dedicar à literatura. É considerado um fenômeno literário, com sua obra publicada em mais de 170 países e traduzida para 80 idiomas. Juntos, seus livros já venderam 210 milhões de exemplares em todo o mundo.

 

Leia outras resenhas:

 

 

 

O Demônio e a Srta. Prym - Paulo Coelho - 213 páginas - Editora Objetiva

Clique aqui para comprar esse livro.

 

Quer ficar por dentro de todas as resenhas do Prateleira? Clique aqui e se cadastre.

comentários
talvez você também goste
Publicidade
Facebook
Mais Lidos